quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Um feliz Natal e um ano novo repleto de conquistas.

Mais um ano se passou, novos caminhos foram percorridos, alguns nos guiaram para conquistas, outros, apenas para novas experiências. Agora chegou o momento em que desejamos felicidades e muito sucesso para o novo ano que se aproxima.

Também desejo muita sabedoria, muita paz e muitos amigos. Desejo que cada um de vocês aprenda a se amar e também a doar amor. Que no ano de 2011, todas as experiências sejam válidas, não digo apenas as boas, mas as difíceis também, afinal, sempre podemos aprender com elas, e o aprender nunca é demais, muito pelo contrário, devemos sempre buscar mais conhecimentos e novos olhares.

Que cada lágrima derramada e cada cicatriz deixada por este ano que passou fortaleça a cada um de vocês. E que acordem a cada dia mais forte para continuar trilhando o caminho que os leva a realização de vossos sonhos. Que Deus esteja sempre à frente de suas decisões e que a cada dia vocês tenham um motivo novo para sorrir.

Não posso deixar de agradecer a todos que estiveram comigo e também àqueles que marcaram presença ainda que indiretamente durante todo o ano de 2010. Obrigada por sempre terem um tempo para me escutar e por me agüentarem falando descontroladamente ou por me entenderem sem que eu diga ao menos uma palavra. Obrigada por toda a alegria que me proporcionaram e principalmente, por me mostrarem que sempre podemos ser mais.

Um feliz Natal e um ano novo repleto de conquistas.!
Um forte abraço, Nayara.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Suelen Marchi: leonina mór.

“Aquela leonina que sabe o que quer e quando quer. Que gosta ou não gosta. Repara, brinca, bebe e grita. Dá gargalhada, mas que também chora. Que possui espaço para o mundo no seu coração e mesmo que não caiba, vai sempre arrumar um jeitinho delicado para dar tudo certo. Ela é aquela que dança com os raios do sol e que brilha tanto quanto as estrelas. Ela é aquela que sorri e encanta.”

Foi esse o primeiro depoimento que mandei para uma amiga especial. No início, não imaginei que essa amizade fosse se tornar não forte, não digo forte de estarmos juntas, de sempre conversarmos ou de chorarmos uma com a outra, mas digo forte de saber que sempre teremos uma a outra.

As amigas sempre dizem que estão ao lado uma da outra para tudo. Não é mesmo? Pois bem, estarei.! E não apenas da boca para fora, como quem recita um ditado popular, mas sim, como quem realmente sabe valorizar as pessoas que são importantes e essenciais em sua vida.

Você já se tornou muito importante Su. Uma amiga, uma irmã mais velha que quero sempre ao meu lado. Única e tantas ao mesmo tempo. Meiga e com um vigor especial que deixa um ar de estou vivendo e ponto. Não importa o que o destino pode pregar de peça. A vida é para ser vivida da melhor maneira possível.

Confiável? Muito. Aliás, adoro abrir meu coração e dizer como estou para ela. É uma conversa verdadeira, em que as duas prestam atenção e se dão atenção. É entender sem precisar explicar.

Então, deixo claro, em palavras, mas colocando toda a sinceridade que for possível transmitir por aqui, que sempre estarei ao seu lado. Sempre estarei disposta a te ouvir, secar as lágrimas, levantar, correr e voar, pois sei que o chão será pouco para você.

Não sou gente grande o suficiente para te proteger de todo o mal, mas tenho a disposição o suficiente para ajudar o tanto que for possível. Te amo, minha leonina mór.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Doce como o fél!

Ontem, a conversa com o meu coração foi outra. Bem diferente. Olhei para o céu, como de costume a fim de encontrar um estrela que brilhasse tanto quanto seus olhos, mas não a encontrei. Fiquei sentada a beira da calçada, carros passavam, pessoas passavam, a velhinha que mora na rua de baixo também passou, me sorriu, e com um aceno simples foi embora, aos poucos, bem devagar e ainda sim, nada me tirava você da cabeça.

Nada conseguia me fazer parar de pensar na sua felicidade, no seu sorriso, esse que, hoje, conseguiria me passar o que realmente se passa dentro de você. Foi então que resolvi tentar entender o porquê de as pessoas sofrerem por amor, se o amor é um sentimento que deveria ser tão bom quanto o doce do mel.

Pensei, pensei e pensei e de nada me adiantou. O problema não é o amor, são as pesssoas. As pessoas perderam o verdadeiro sentido de amar, acho que até eu perdi. Talvez, esse meu medo de se entregar a uma nova experiência, medo de ficar só e até o de não ficar só, expliquem toda a minha predisposição surreal na busca em ser feliz ou, talvez, seja apenas a minha vontade absurda de curtir a noite e os amigos sem ter de me preocupar com alguém que espera uma ligação, uma mensagem, um abraço, um carinho.

Como posso explicar minhas confusões internas, se meu externo é conduzido a tomar atitudes corriqueiras e que não são dignas de serrem vangloriadas por meus desejos reais. Aliás, ao contrário, eles se envergonham de mim.

Meus próprios conceitos se envergonham de eu ter medo de amar e não ser amada. Não ser amada não é digno o suficiente para te fazer correr da felicidade. É preciso tentar, é preciso deixar de lado suas confusões e se jogar, se entregar ao mar... afinal, não é a calmaria das águas que fazem os grandes velejadores, e sim as piores tempestades.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Sobre o amor...

Amor, amar... sentimento tão bom e ao mesmo tempo que sabe como e quando fazer mal.

Numa hora, te proporciona prazer, outrora, faz chorar, doer e até enraivece.

No início, brilha, ilumina e reflete a paz que se encontrou em outro, depois, com uma simples atitude, cega a alma e fortalece o egoismo.

Amor. De que me adiantaria ter amor se não tenho alguém com quem o dividir?

Alguém que realmente me queira, que aceite meus carinhos, que esteja disposto a viver comigo.

Amor. De que me adiantaria entregá-lo ao desdém de alguém se tudo o que eu mais quero é amar de verdade, me entregar de verdade.

Amor, amar, se entregar.

É isso que eu quero, que espero, sem medo de sofrer.

Não pretendo procurar respostas no inalcançável, nem tempouco em esperanças vindas de histórias, apenas vejo a vida como ela é.

Isso não me torna uma pessoa com medo de amar, mas sim, uma pessoas que ainda espera amar de verdade e ser amada de verdade e para isso, sofremos, caímos e levantamos, afinal, estamos sujeitos a tudo.

Para viver não podemos resistir ao mundo.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Perpétua

"Eu que nem sabia que ainda poderia sorrir, nem sabia que ainda poderia me encontrar em um outro alguém, numa outra amizade.

Eu que já tinha uma amizade perpétua, agora, me encontro, novamente, num ser que mal me conhece. Me encontro, novamente, sorrindo e sentindo meu coração bater.

Me encontro totalmente confiante que a parte que me faltava, por ora, encontrei em você e é em você que quero me achar a cada minuto.

Achar o carinho que deixei perdido por tanto tempo a disposição de pessoas que não valeriam a pena, o abraço verdadeiro que só foi apertado por pessoas sem um pingo de amor se quer. Achar meu ego e força, uma outra amizade que ficou perdida em meio a tantas almas inescrupulosas e infiéis".

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Saudades

É estranho a forma com que sentimos tanta saudades das pessoas não é mesmo? Eu gosto de sentir saudades de alguém. Gosto de sentir saudades porque isso me faz lembrar constantemente de certo algo ou alguém. Fico pensando em como podemos querer matar a saudade e, nestas horas, percebo que eu não quero matar para não esquecer.

Queria tanto ter você ao meu lado. Queria tanto poder olhar em teus olhos e dizer o quanto se tornou importante para mim, o quanto eu te quero bem. Queria mesmo sentir sua pele em minha pele e sua respiração forte de desejo. Mas não, não quero deixar de sentir sua falta a cada minuto. E é isso que a saudades me faz.

É disso que estou falando. De querer o que não sai da sua cabeça. Não digo apenas de uma pessoa, um amor. Digo isso por um amigo, um verdadeiro irmão. Para se ter saudades não precisa ser necessariamente de corpo, mas sim de alma. Sentir falta daquela pessoa que te completa, que te sorri. Uma pessoa que você não precisa falar para ela te escutar, basta olhar e deixar com o os corações se comuniquem.

É essa saudades que eu falo. A saudade mais pura e verdadeira que poderia existir. A de um amor que nunca morre e que nem pede nada em troca.

Eu, por Shing.

Acolhi e fui acolhida por um anjo sem asas, não tenho muito nem tão pouco assim para falar sobre essa menina.
Seus olhos mantem o brilho da esperança
Seu sorriso mostra a perseverança de sorrir mesmo quando ás vezes se quer chorar
Seu chorar me mostra a sua humanidade
Cada dia é uma nova chance de mudar...de acertar e ela sabe bem disso
Não tem medo de tentar, mesmo depois de muitos tombos
Ela sabe amar e cuidar
Mas não deixa de querer que alguém saiba cuidar dela também
Sabe o que merece e não quer nada mais nada menos do que isso
É passarinho livre mais não tenham medo
Se a conquistar saibam
Que ela sempre vai voltar
Ela pode voar nos seus sonhos
Pois sabe, que sonhar é preciso
E por mais que ela voe pra bem longe
Onde se encontra as nuvens e se toca nas estrelas
Ela sabe manter os pés no chão
Bem que ela queria mandar no seu coração
Mais já aprendeu que isso, ela não sabe não
Ela sabe que não podemos mudar os outros
Mas podemos aceita los
E dar a chance de se mostrarem melhor
Ela sabe amar e se entregar
E sabe se fechar e recolher
Mais que uma boa amiga
Sempre aparece nas horas certas
E pode ter certeza, que nela você pode confiar
Meu anjo sem asas cuida de mim
Que eu cuido de você.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Homenagem as minhas meninas...

A cada dia que passa eu tenho mais certeza de que o amor verdadeiro realmente é eterno, sem limites e sempre bate a porta do peito para mostrar que está presente. Tenho certeza de que é o mais lindo de todos os sentimentos e o que quero sentir eternamente e que sempre que me lembrar dele, que seja em vocês que eu esteja pensando.

O amor verdadeiro é esse carinhoso, que sorri quando o outro coração sorri e chora para fazer companhia a lágrima que insisti em escorrer pelo rosto. O amor verdadeiro é aquele inexplicável, que ultrapassa todos os limites da razão e que faz dos piores momentos, os melhores, afinal, toda experiência é válida para o crescimento pessoal, por mais que seja um crescimento dolorido. E dói. A perda dói. O aprender dói. Mais é uma dor que te ajuda, te ensina e te ajudar a subir ao patamar mais elevado que a sabedoria e a vida podem te oferecer. Sempre disseram que o que vem fácil, vai fácil.

O amor verdadeiro é aquele que a gente não escolhe a quem oferecer, mas que simplesmente acontece. Que na verdade... reconhece a outra alma e ela o deixa nascer e florescer. Com calma, aos pucos, ele cresce, floresce, se torna a flor mais bela, cheirosa e ainda serve de abrigo para os bichos mais medonhos. Ele não pensa, doa o que for preciso, mas sabe que a melhor recompensa é ver que alguém está bem... porque o fazer bem, te faz bem. E tudo, sem pedir nada mais nada.

Não digo isso para tentar explicar a lei da compreensão, nem fazer juras de amor eterno, mas digo para deixar a alma lavada, o coração limpo e o sentimento no ar. A amizade carrega esse laço de amor verdadeiro, puro e que nem ao certo se entende. Quem entende as coisas do coração? Quem pode entender? Quem pode controlar se nem ele mesmo se controla, muito pelo contrário, controla todas as outras partes do corpo em seu favor. E a amizade é assim, um sentimento incrontolável de reconhecimento e de querer contribuir para que a outra pessoa seja muito feliz.

É, acho que é melhor deixar apenas o sentir sem explicações fluir e amar. Dessa mesma forma, intensamente. Na mesma intensidade com a qual os quero bem. O bem das pessoas que eu amo e que não tenho vergonha em dizer. Aliás, por mais que as pessoas digam que esse sentimento é inexistente, não é verdadeiro, eu sei o quanto o meu carinho é real e isso me basta.

Saibam que vocês estão entre essas pessoas e sempre vão estar, mesmo que falte o que falar, ou quando o calar melhor arremeta a mais fiel palavra de cuidado e apreço. Estarei sempre com vocês. Digo, sempre mesmo. Na tristeza, na alegria, na ausência, na falta de dinheiro, na lua quando resolverem sonhar, ou no chão quando resolverem andar somente na realidade. É isso. É assim que tento explicar, o que, talvez, nunca consiga.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Aos pequenos detalhes!

É incrível a forma com a qual não vemos o ponteiro do relógio andar, os segundos passarem, o nascer e o pôr-do-sol. É incrível a forma como sorrimos quando ganhamos um presente em caixa grande e colorida e nem ligamos para o pequeno, aquele mais humilde. É incrível a forma ignorante com a qual agimos diante de situações que só precisam de um pouco mais de atenção.

Precisamos sorrir com os curtos momentos e pequenos detalhes para descobrirmos que os maiores amores não nascem de grandes expectativas. Acredito que o amor está em todos os lugares em que estamos, basta estarmos com ele dentro de nós. E falar sobre o amor é fácil, falar sobre sentimentos é fácil. Afinal, todo mundo sabe mentir.

Aliás, esses amores podem nascer de forma gigantesca e em situação cinematográficas, mas para mim é diferente, gosto de curtir o simples, o vento batento em meu rosto, um copo gelado na mão e uma roda de amigos. Gosto de fazer novos amigos e amá-los assim como os mais velhos.

Ainda gosto de acreditar que vale a pena acreditar nas pessoas. Até sou desconfiada, mas o meu abraço será sempre o mais sincero possível. E não me adianta dizer que arriscar é se jogar num precipício. Já cansei de esperar pelos outros as iniciativas que são minhas.

sábado, 6 de novembro de 2010

Eu que não sei nada...

Realmente não sei. Não sei o que quero, o que faço, o que é melhor tanto para mim quanto para os outros. Não sei mais o que será melhor, não sei mais nada. Já achei que soubesse, mas descobri que não sei e sinto muito por isso. Sinto por não conseguir saber, por querer saber e não me achar. Sinto por pensar que já tivesse me achado e por descobrir que me enganei. Me enganei quando acreditei que saberia tudo sobre mim um dia. A gente nunca sabe.

É engraçado a forma como sempre achamos que sabemos, a forma com que pensamos que nos conhecemos. É engraçado porque tudo isso pode mudar, e muda, tudo sempre muda. Dormimos acreditamos que o melhor é ser diferente e acordamos querendo ser mais ainda mais nós mesmos.

Já não sei mais quanto ao meu certo ou incerto e talvez, isso tudo torne tudo ainda mais complicado. Tá ficando difícil explicar, por mais que eu queira falar, não sei mais. É assim que nossa cabeça sempre fica, sempre queremos descobrir tudo, saber tudo e acabamos por esquecer que o melhor é deixar as coisas acontecerem, no seu devido tempo, da sua devida maneira.

Acredito que podemos contribuir para o nosso auto-conhecimento, nossa auto-avalição diária. Mas nem sempre querer se conhecer é o suficiente. Cada situação pede um pouquinho de nós de forma diferente. Alguns momento, uma Nayara mais intensa, em outros, uma Nayara maleável e totalmente voltada a novas experiências.

Diante de tudo isso. Percebo que não encontramos nossas respostas quando fazemos as perguntas corretas, e sim, quando paramos de perguntar e deixamos com que o tempo e tudo o que conquistamos, inclusive os nossos amigos, que são peças fundamentais para respirarmos e querer sempre o bem, nos mostre que estamos sendo quem devemos ser. Apenas eu, você e seja lá quem for. Isso me basta e espero que basta para você também.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Só Os Loucos Sabem - Charlie Brown Jr.

Agora eu sei exatamente o que fazer
Bom recomeçar, poder contar com você
Pois eu me lembro de tudo irmão, eu estava lá também
Um homem quando está em paz não quer guerra com ninguém
Eu segurei minhas lágrimas, pois não queria demonstrar a emoção
Já que estava ali só pra observar e aprender um pouco mais sobre a percepção
Eles dizem que é impossível encontrar o amor sem perder a razão
Mas pra quem tem pensamento forte o impossível é só questão de opinião

E disso os loucos sabem
Só os loucos sabem
Disso os loucos sabem
Só os loucos sabem

Toda positividade eu desejo a você
pois precisamos disso nos dias de luta
O medo segue os nossos sonhos
O medo segue os nossos sonhos
Menina linda, eu quero morar na sua rua

Você deixou saudade
Você deixou saudade
Quero te ver outra vez
Quero te ver outra vez
Você deixou saudade

Agora eu sei exatamente o que fazer
Bom recomeçar, poder contar com você
Pois eu me lembro de tudo irmão, eu estava lá também
Um homem quando esta em paz não quer guerra com ninguém

Entre a razão e o coração. [Devaneios]

Eu que sempre fui de me deleitar com as boas sensações vindas do coração, me pego pensando intensamente em me deixar levar pela razão. Não que eu vá parar de amar, de querer viver a vida de forma única e intensa, não. Isso nunca. Mas acho que está na hora de tentar ser mais fria com as oportunidades. Ser mais desconfiada.

Me parece que a vida gosta de brincar de esconde-esconde e que o coração gosta mesmo é de pregar peça, aí, eles formam uma dupla perfeita para nos confundir e nos cegar diante daquilo que é realmente certo. Sei lá. Sempre podemos acordar com um pensar diferente, um querer mais ou precisar de menos. Nunca se sabe.

Talvez, se você me perguntasse como se passa o meu coração, a resposta seria não sei, estou tentando deixar ele um pouco de lado. Deixando ele se virar sozinho, sem me levar junto. Acho que está na hora de parar de dar tanta atenção aos motivos equivocados que o caminho da vida nos entrega para acreditar que o seu desejar é correto. Sempre podemos encontrar um motivo melhor para ser ainda mais feliz, quem sabe um amigo.

Como falei, não sei... Talvez, se a gente trocasse de coração e se eu passasse a dar razão a razão, poderia dizer que o melhor é sempre ter algum motivo diferente para querer lhe fazer sorrir e não apenas este, de te amar tanto e constantemente mais.

"Não há nada que seja esperado e nem desesperado", Caio. F. Abreu.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Shing - Uma participação especial.

Já faz um tempo que esperava a participação mais que especial de Elen Nishimori, a nossa querida Shing, no Contos de naná. Para quem não sabe, Shing possui um excelente dom de tocar as pessoas com as palavras.

Timida, possui um coração maravilhoso e gosta de de discutir sobre a humanidade, sobre a falta de amor e sobre a eterna esperança de um mundo sem preconceitos. Bom, para não tomar o espaço dedicado tão somente a ela, segue o primeiro texto da Shing no Contos de naná... primeiro de muitos.

"Não vou lhe contar
Mais uma menina muito linda me falou
Que tanto te ama e que não suportaria lhe perder
Não vou lhe contar
Que com o coração partido ela lhe desejou
E me pediu para deixar o seu caminho livre
Que um dia vocês vão se encontrar e tudo vai voltar a ser como era
Não vou lhe contar
Que irei fazer o que ela pediu e não quero olhar para trás
Não vou lhe contar
Que eu que era tão inatingível me sinto frágil
E que pensei até em chorar, mas não o fiz
Não vou lhe contar
Que eu sei que ela te ama
Só que com o jeito dela e os erros dela
Só que um dia a gente aprende
Que o que tem que ser será
E aprende que no mundo tudo vai e vem
Não vou lhe contar
Que apesar de tudo desejo o melhor para você
E o seu sorriso faz tudo isso valer a pena
Não vou lhe contar
Que estarei aqui quando precisar de um amigo
E que não estarei quando precisar de um amor
Não vou lhe contar
Que eu sei que você é diferente
e na loucura você se faz presente
Não vou lhe contar
Que meu coração agora bate forte por você
E meus olhos olham por você
Não vou lhe contar
Que a vida é dura e que o destino é uma criança brincalhona
Mais que a felicidade está sempre presente
Nas melhores nas piores horas
Basta olharmos de outro ângulo
Não vou lhe contar
Que sei mais do que devia...e que no final tudo acaba bem!".

Elen Nishimori(shing)

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Um presente!

Estava sentada em minha cadeira no trabalho e meu telefone toca. Trililim, triliim... - Imprensa! Do outro lado, a voz responde: - Jaqueline. Eu: - Pode entrar. ^^. Não imaginava o que me aguarda. Chego lá fora é a Tuche. Com um sorriso todo meigo e um brilho intenso ela diz que tem um presente para mim. Vou toda ansiosa e com um pouco de vergonha.

O carro estava lá fora e a sacolinha vermelha (linda por sinal) dentro do carro. De repente ela pega meu presente e eu já com um sorriso enorme olho por cima. oO. MEU, ADORO. Hahaha... Cinco garrafas e uma caixinha de suco! Quer mais o quê? Só se for amigos para degustar junto comigo cada um dos goles.

Jaque (Tuche), obrigada por sempre querer meu bem. Porque sempre estar me deixando para cima e por sempre me entender. Bom, confesso que sou meio difícil, mas obrigada por sempre me aguentar. Saiba, sua visita foi uma surpresa maravilhosa, e, assim como te falei, deixo no Contos de Naná o registro de meu agradecimento e singela forma de dizer que amei o presente. Mais uma vez, obrigada!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Querido Diário - página especial.

Acabo de saber que amanhã, 5 de outubro de 2010, vamos ao médico buscar a fórmula para a tal dieta. Sabe, não posso negar que fiquei assustadinha, mas só um pouquinho, bem pouco porque ela é forte. E outra, é uma dieta e vamos fazer juntas. Nós três. Ah, porquê três? Porque, agora, somos 150%. Temos mais uma amiga para lutar junto.

Sempre pensei que as coisas acontecessem na hora certa, e é realmente isso. Acontecem quando menos esperamos, mas é quando mais precisamos. Nada é só por acaso. Uma amizade conquistada é sinal de que você tem mais uma pessoa pelo qual sorrir e agradecer a Deus diarimente. Continuo e sempre vou continuar agradecendo a Deus por ter colocado esta pessoa maravilhosa no meu caminho, uma amizade única e verdadeira.

Quando precisei, foi lá que encontrei conforto. Quando disse: - O que eu faco? Foi lá que encontrei a resposta certa. Quando estava fraca, foi lá que encontrei vigor e toda a força que precisava. E é constantemente assim, é lá, no seu abraço e no seu mais puro e sincero carinho que encontro o que me falta.

Vamos começar novamente, mas só que, desta vez, não vai ter parada obrigatória e o fim vai chegar logo. Boa sorte pra gente nesta nova etapa. Ah, só um recado... não vou ficar com a parte de comer verduras e legumes, ok?.

Dez mil dias em três

Como sempre, um ótimo final de semana. Em companhia de pessoas mais que maravilhosas. Desta vez, duas pessoas diferentes no role e que me deixaram ainda mais feliz. Meu primo, Clayton e meu querido amigo Leonardo Belquiman. Foi tudo perfeito. Não teria como não ser com tanto carinho e respeito visivelmente no ar. Bebemos, dançamos, cantamos e o melhor, aprendemos que as nossas diferenças fazem parte e até podem ser classificadas como os ingredientes mais importantes para que a massa da nossa identificação cresça.

Diferença que se mostra similar a cada dia que passa. Diferença que nos torna tão parecido quanto duas cordas de violão batento na mesma sintonia e encantando todos os que escutam sua música singular e calorosa. Nunca fui boa em concentrar minha atenção em uma pessoa só, hoje, sofro por isso e o pior faço as pessoas, que esperam isso de mim, sofrerem. Não gosto disto. Aliás, sempre vivi com esperanças de não fazem ninguém sofrer. Ainda espero que isso aconteça.

Foi um final de semana especial. Foi o final de semana de Talita Farah. Nossa amiga, minha irmã, filha de Silmara, a adorada Sil e, acima de tudo, pessoa inconfundível e que sempre cativa os que estão a sua volta. É engraçado como todos que a conhecem, ou melhor, todos os que trocam apenas uma palavra com ela já se apaixona e nunca mais quer ficar sem sua alegria e seu brilho impossível de ser apagado e impossível de ser explicado.

Talvez, devesse fazer mil posts, escrever um pouco sobre tudo o que aconteceu, mas não estaria sendo eu, que sempre faço tudo intensamente, sem escolher a antes, o agora, e o depois. Quero um ar puro, gosto de ouvir os pássaros e sorrir quando é para chorar. Gosto de abraçar aquele que a distância acalma e gosto de me distância daquele que encontr conforto em qualquer matéria que se aproxima. Grito truco e seguro o copo para e com quem quer que seja.

Obrigada a todos que compareceram e que fizeram parte dos mil que se tornaram uma unidade para que a Tali (minha Nê) sorrise. Obrigada àqueles que sempre nos incentivam a cantar porque é cantando que conseguimos colocar para fora tudo aquilo que nos pertuba de tanto querer sair e não ter por onde. Um amor. Uma amizade. Uma vida. Vida dividida em duas almas. Agora, já são três (se é que vocês me entendem, rs).

Desculpe-me os que não ouviram meu tchau, mas é que prefiro dizer oi quando nos encontrarmos de novo. E que seja logo. Porque nada melhor do que energias positivas para retirar o sentimento de peso e de insegurança. Que vocês sorriam, chorem, gritem, que segurem o copo de seja lá quem for. Sentimentos nós não escolhemos, atitudes não controlamos. Isso basta quando há sinceridade no sorriso e no olhar. Eu vivi dez mil dias em três. Viva você também.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Meu mais sincero e singelo obrigada!

Hoje, meu texto tem um motivo especial. Faz uns dias que duas pessoas leram o Contos de Naná dos pés a cabeça e preciso muito agradecer essa dedicão e todos os elogios que me fizeram. Como todos já me conhecem bem, sabem que não faria meu agradecimento de forma diferente e tão singela.

Jaque e Shing. São as duas almas brancas que me encantaram com tantos mimos. Me tiraram sorrisos, os mais timidos, porém, os mais sinceros e agradecidos que poderiam tirar. Não posso negar que foi uma enorme surpresa quando me falaram que estavam lendo todo o meu blog. Nem eu fiz isso ainda, apenas escrevo e deixo que um dia, quem sabe, volte a ler o que já ficou registrado por aqui.

O legal é que a cada dia elas me perguntam se já atualizei o Contos ou se já tenho propostas nas minha cabeçinha. Muito obrigada por todo o apoio que vocês indiretamente me dão para que eu continue deixando minha marca neste cantinho louco e cheio de histórias.

Não quero que todas as outras pessoas que me apoiam e que sempre me deixam comentários e que até mesmo acompanham meu blog desde o início não fiquem chateadas por eu ter feitos um post dedicado a essas duas meninas novas em minha vida. Saibam que todos são extremamente importantes para minha trajetória e continuarão sendo até que eu resolva parar. Amo todos e tenho um carinho especial por cada um de forma singular e única.

"Já me perguntaram mil vezes porque amar as pessoas e porque se preocupar quando elas não sorriem. Poderia responder apenas porque somos iguais, porque somos todos humanos. Mas para mim é mais que isso. Como não me importar com pessoas que fazem de minha vida ser um algo a mais?".

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Feriado na cozinha!

Não tem como não dizer que eu não estava com medo. Nossa, quantas palavras não, né?. Pois é, realmente, estava negativa. Definitivamente, não sou de cozinhar e não vou ganhar alguém pela barriga, rs. Na verdade, não sou de pegar em qualquer coisa da cozinha antes da minha mãe dizer que o almoço está pronto. :S

Só que sabe como é, né? Feriado em Nova Odessa em plena quarta-feira, Nayara não teria nada para fazer e a Talita (amiga de Americana) estava doentinha. Ajudinha para ela? Não, pelo contrário, um dia maravilhoso pra mim. Fui passar o dia com a Tali. Acordei cedão, fiz caminhada, fui ao mercado comprar suprimentos, que por sinal renderam em um almoço lindo. ^^ [Até a Day (outra amiga de Americana) comeu e disse que ficou bom. Fiquei feliz.

Sei que preciso agradecer a Tali por ter tido a mega paciência em ficar respondendo: -Não, Bê. - Coloca mais água! - Tá bom! etc... Massss, enfim... preciso dizer que foi uma experiência ótima e que até estou pensando em cozinhar em casa, de vez enquando, claro.

Tá! Tudo bem, sei que já tenho 20 anos e deveria ser uma boa cozinheira, acontece que eu não me dou bem mesmo com isso. Meu, para vocês terem noção, antes do almoço eu coloquei alguns pães de queijo no forno e esqueci.. haha. Pão de queijo pronto, queimado e duro igual uma pedra. Ao menos serviram para que eu e a Tali fizéssemos guerrinha de... sei lá como podemos chamar o resultado daquilo, pela casa. Hehe

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Hyundai Motors promove projeto de integração ‘Corea & Brasil’

Estudantes ficaram hospedados na Fazendinha da Unimep
Ricardo Gonçalves - 4º Semestre - Jornalismo
Nayara de Oliveira - 4º Semestre - Jornalismo

A montadora coreana Hyundai Motors, que instalará um parque automotivo em Piracicaba, realizou, de 8 à 14 de agosto, o projeto de integração “Corea & Brasil”. Em sua 2ª edição no ano, o projeto que desta vez trouxe como lema “Juntos Movemos o Mundo”, envolveu uma comitiva de 100 universitários de diversas áreas de estudos. Os estudantes ficaram hospedados em dormitórios da Fazendinha da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba).


Estudantes coreanos foram recepcionados pela universidade e se hospedaram na Fazendinha da Unimep
Foto: Ricardo Gonçalves


Com o objetivo de fortalecer a imagem de responsabilidade social da empresa, o projeto proporcionou um agenda com muitos compromissos aos estudantes, dentre eles, visitas em pontos turísticos da cidade, trabalhos sociais nas Entidades Assistenciais da cidade, além de conhecerem o projeto “Piracicaba Trabalha Assim”, da Prefeitura, que incluiu visitas na ETA (Estação de Tratamento de Água) 3 e a Estação de Lodo do Capim Fino, Museu da Água.

Segundo o responsável pela agência receptiva que acompanhou os coreanos a piracicaba, Ricardo Choi, a avaliação prévia da atividade foi positiva, mas o resultado final será conferido numa próxima edição. “O serviço social teve o resultado esperado. Já tivemos a primeira edição e este retorno foi muito bom, posteriormente, tem a avaliação e o resultado é dado através de uma próxima visita”, explicou Choi.

O projeto de integração também é desenvolvido na China e na Índia. Os participantes são selecionados através de processo seletivo. Apenas para a visita ao Brasil foram 50 candidatos por vaga.

Para o oficial de gabinete da Secretaria de Governo, Bento de Jesus Guastalli, a visita foi positiva. “A comunicação foi boa. Aconteceu tudo conforme o planejado. Aparentemente todos gostaram, e nós também gostamos. Esperamos uma outra edição e ficamos felizes com este resultado”, disse.

-------------------------------x-------------------------x---------------------------

PS: Esta foi uma das matérias produzidas na disciplina de Jornalismo na Internet 2, sob orientação do professor Wanderley Garcia. Normalmente não isto, quero dizer, colocar minhas produções da faculdade aqui no blog só que, desta vez, foi uma atividade diferente. Eu e o Rick tivemos a oportunidade de passar horas com este pessoal de olhinhos puxados e foi um momento ótimo. Sem contar que nossa amizade se mostrou ainda mais presente, porque pudemos dividir segredos e cantar juntos, rs.



quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Querido Diário - Último dia da 1ª parte

Demorei para voltar a falar no assunto. Na verdade, por mais que pareça que não, ainda não estava preparada para dizer o que o diagnóstico final disse e que teremos que levar como uma esperança que se renova a cada dia e que permanece entre nossos pensamentos mais medonhos.

Agora, já não há mais pré-quimio, por enquanto, ela vai ter que fazer um tratamento específico para reabilitar seu corpo. Ainda não começou, mas é que os últimos exames constataram que o corpo recebia os remédios, ficava mais fragilizado (todos sabem que com o tratamento a imunidade do corpo diminui), só que o tumor não tinha reação nenhuma, ou seja, ela ficava mais fraca e apenas isto.

Não posso dizer que está tudo bem, tanto eu quanto ela, minha amiga-irmã, que chama minha mãe de mãe e que dividir a mãe dela comigo, sabemos que isso nos martela a cada dia. Acontece que também sabemos que não podemos fugir da realidade, e que por mais óbvio que seja, temos que esperar a volta da rotina hospital, médicos e sopas de ervilhas.

Sabemos que esse perído de tratamento, recuperação e de novo ânimo será percorrido em um caminho longo, mas preferimos que seja assim, porque, com certeza, valem mais do que o período que nos restava para viver juntas antes de isso tudo começar. Desta forma, vamos juntas abraçando todos os nossos momentos sejam eles de alegrias ou de tristezas, porque não precisamos de mais nada para saber que já não somos mais duas amigas separadas, e sim, uma metade sózinha ou uma inteira juntas.

Bom, é assim que me despeço, durante um tempo, desse meu diário não secreto que se tornou tão meu amigo do que aquele que, antes, acreditava que vingaria se fosse apenas de papel. Sei lá, é estranho, é difícil, é real, mas parece um sonho que vamos acordar a qualquer momento e com um fôlego novo. Enquanto isso, ficamos assim... juntas e cada uma levando 50% da parte que nos resta sorrir. Te amo Nê!.

Vivendo mil dias em um!

Meu, teria mil posts diferentes para dizer o que tem acontecido comigo. Durante todos esses dias longe daqui, tive muitas e muitas histórias. Infelizmente, já não mais com a mesma emoção contarei um pouco de tudo. Um final de semana perfeito, novas amizades, novas experiências, novas lágrimas e novos risos.

Dias desses juntamos uma galera e fomos para uma chácara. Foi o final de semana. Sei bem que sempre dizemos: - Nossa, foi o melhor dia da minha vida. Por isso, não vou dizer que foi assim, porque sei que ainda terei muitos outros finais de semanas maravilhosos. De qualquer forma, amigos, músicas, bebidas e macarronada conseguem alcançar um grau de felicidades que, talvez, fosse difícil de outra forma. Conheci pessoas ótimas, fiz amizades que nunca havia imaginado fazer, cantei na frente de outras pessoa, me perdi e me encontrei.

Quando achei que tudo já havia ficado para trás, eis que mais um final de semana chega e daí vem o feriado. Churras? Sim, claro. E mais uma noite ótima em companhia de pessoas maravilhosas. Pode ser que você me pergunte o porque de estar contando experiências particulares aqui. Pois então, o que quero dizer é que cada minuto de nossas vidas são singulares. Não adianta acharmos que poderemos viver depois, que poderemos sorrir mais tarde e que a vida sempre nos dará novas oportundiades. Não! temos que aproveitar o hoje, o agora.

Temos que acordar todas as manhãs e agradecer a Deus por mais um dia, por mais um sol que brilha ou por mais uma chuva que cai. Durante esse período descobri que o melhor é sempre descobrir. E que para descobrir os melhores momentos é preciso se entregar ao viver sem medo de errar, sem medo de tentar. Bom, é isso e fica a dica!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Sim, sou de Leão! 'Leonina: o comportamento'

Signo fixo, Leão simboliza a força da criação, os primeiros resultados que irrompem, a despeito de todas as dificuldades. Daí a analogia do signo com o desafio e com a auto-afirmação.

Desafiar o ambiente externo, que pode ser hostil e inóspito é algo que precisa ser feito com coragem, focalizando apenas o desejo de ser, a despeito de todo o movimento em contrário que possa existir.

O Leão é conhecido pela força – até mesmo autoritária e tirânica – com que impõe sua vontade, curvado que é à paixão de realizar seu próprio destino: florescer, frutificar, criar, com toda a nobreza e honra que algo criado possui.

Dizem que o Leão é o rei dos animais e ele bem que simboliza essa qualidade leonina da honra, mas também do amor à prole, pois é signo gregário, que protege a cria – afinal, ele sabe a importância da luta pela vida.
Para poder lutar pela sobrevivência e se impôr enquanto ser existente, o leão precisa ser centrado em si mesmo.

O Leão é também o educador. Apesar de gostar de ser admirado e apreciado, sabe ser magnânimo e dar seu amor. Um temperamento ardente e apaixonado, que precisa ser aceito e para isso explora com maestria suas capacidades, assim é o Leão, que pode até almejar o poder para conseguir ter mais destaque na comunidade.

Contudo, irá fazer o melhor para o bem comum.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O Anjo Mais Velho - O Teatro Mágico

"O dia mente a cor da noite
E o diamante a cor dos olhos
Os olhos mentem dia e noite a dor da gente"

Enquanto houver você do outro lado
Aqui do outro eu consigo me orientar
A cena repete a cena se inverte
Enchendo a minh'alma d'aquilo que outrora eu deixei de acreditar

Tua palavra, tua história
Tua verdade fazendo escola
E tua ausência fazendo silêncio em todo lugar

Metade de mim
Agora é assim
De um lado a poesia, o verbo, a saudade
Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim
E o fim é belo incerto... depende de como você vê
O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só

Só enquanto eu respirar
Vou me lembrar de você
Só enquanto eu respirar

Composição: Fernando Anitelli

Admiração, eterna!

A dor de perder alguém é tão forte quanto a de se perder. O caminho a gente encontra, mas o abraço apertado não. Sentirei muito sua falta. Sentirei a falta de sua voz me chamando de neta. Uma neta postiça, mas sempre neta.

Ela foi a avó que eu não tinha e, agora, está lá no céu. Sei que ela está. Uma estrela na terra só poderia ocupar um lugar ao lado de corpos celestes com tanto brilho como tal. Quando olhar pra lá vou ver mais do que pontos iluminados, mas vou ver um sentimento transformado em luz, um amor eterno.

Desde pequenina ela me carregava pelos corredores da escola. Prá lá e prá cá. Sua filha fez o mesmo até que eu a levei ao palco da escola para me entregar o certificado de conclusão do Ensino Fundamental. Foi um dia emocionante. De lá pra cá a nossa amizade ficou mais forte, não, apenas,a minha com a filha, mas também com a mãe.

O meu nome mudou, já não mais era chamada de Nayara como a maioria dos professores me chamavam, agora, eu era a filha e a neta. No próximo dia 4, a neta de verdade, que também atende como minha irmã, completará 3 meses de vida, e sinto muito por ela não ter tido a oportunidade de vivenciar várias tardes com a avó maravilhosa que encantava todo mundo enquanto presente na terra. Eu tive essa oportunidade e será a imagem que terei ela guardada no meu baú de boas lembranças para sempre e que vou manter na vida da pequena neta real.

Foi com ela que fiz meus melhores desenhos, foi com ela que aprendi as minhas melhores técnicas, foi com ela que recebi os elogios mais singelos e também as broncas mais doces . Eu me perderia, sentiria a dor de me perder, mas a dor de perdê-la é terrível. Eu sei que isso faz parte da vida e seu ainda mais que a minha admiração será eterna. Só que, agora, vou olhar mais para as estrelas buscando encontrar aquela que me ensinou a desenhá-las. (24.08.2010)

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Querido Diário - 16º Dia

A nossa primeira conversa, de ontem, foi triste. Ela preferiu não conversar. Antes de desligar o celular disse que recebeu os resultados dos exames sobre a reação do seu organismo para com os remédios da pré-quimio. Quando ela estava internada, na semana passada, o médico disse que seu corpo estava reagindo bem, segundo a pré-avaliação. Só que ainda faltava alguns exames e esse foram os não aguardados resultados.

Minha amiga vai ter que aguardar para continuar o tratamento. Infelizmente, terá que estender o período de tratamento, agora, vai ter que fazer uma dieta rigorosa e uma série de coisas para que seu organismo esteja pronto para receber a continuação das fortes doses de coquetel. Ela tá com baixa imunidade, bem baixa.

Ela chorou. Eu chorei. Ficamos em silêncio, mas sabia que ela precisava de um abraço. A noite, nos encontramos no futsal em Americana e eu dei. Um abraço bem apertado, por sinal. Ela disse que não queria conversar sobre isso e eu respeitei. Ainda não falamos mesmo, nem sei direito como será todo o processo agora. Mas sei que vai dar tudo certo.

[Segredo: Lembra que falei que ela estava gravando um DEMO? Então, apesar desta avalanche de informações chatinhas, o produtor da gravadora ligou pra ela ir fazer a sessão de fotos do álbum e, hoje, ela foi lá no estúdio. ^^ Quero ver como ficaram as fotos!]

domingo, 22 de agosto de 2010

Querido Diário - 14º Dia.

Passamos o final de semana todos juntos. Eu, ela e mais uma galera, uma não, duas. Apesar de sabermos que a semana começaria e que a rotina de hospital, talvez, entrasse, novamente, no cronograma de atividades diárias - não sabemos se ela vai continuar com o tratamento, porque os resultados de alguns exames da semana passada só chegam amanhã e só então ela vai saber como anda a recepção de seu organismo - ,deixamos a preocupação de lado e vivemos o presente.

Só que não quero falar sobre isso, agora. Vou continuar contando sobre nosso final de semana, tá? Então, no sábado, fomos treinar futsal, depois, ela foi pra casa. Tomei banho e um amigo passou para pegar a gente e irmos para a casa dela em Americana. Teve festinha lá, só que nós duas fomos para Piracicaba comemorar o aniversário de um outro amigo nosso, com uma outra turminha maravilhosa. Hoje, ficamos em Americana. Encontramos a turma da farra e ela tocou violão em praça pública, rs.

Sei que foi abuso da nossa parte sairmos e ela ficar sem descansar, só que ela me disse que precisava, que, talvez, devesse por imposição ficar sem farrear por um tempo e eu não podia tirar essa oportunidade dela, a única coisa que podia fazer era estar junto e eu estava!. E nisso, vi em seus olhos o brilho da alegria e ouvi em sua voz o desabafo do tédio.

Fomos dormir na hora de acordar, acordamos na hora de jantar e jantamos na hora de sair. Saimos na hora de chegar, chegamos na hora de dizer bom dia e sorrimos até na hora de chorar.

Obrigada a todos os amigos que já caminham conosco nesta trajetória e que a fazem tão bem quanto qualquer outra coisa.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Querido Diário - 11º Dia.

Ela teve alta. Depois de fazer uma série de exames e de tomar diversos medicamentos para que seu corpo se reabilitasse para continuar recebendo a pré-quimio, ela está em casa. Hoje, como os outros dias de internação foi cansativo. Ela me contou que acordou com dores muito fortes de cabeça, dor no corpo e tontura. Mas o médico disse que é normal, afinal, é muito remédio para uma pessoa só.

Apesar dela não estar com o ânimo muito elevado, ainda teve tempo de fazer graçinha. Olha só um trecho do e-mail que ela me mandou: "... o foda foi que a enfermeira me trouxe uma sopa de ervilha manooo! oO Ja odeio sopa, de ervilha ainda, não da né! ja estava sem fome, aii nem comi! =/ QUE SAUDADE DA MINHA CASA! QUE SAUDADE DO MAC! hehe ..." Minha resposta: - Tadinha, hahaha.. #NOT Tali, coma sopa de ervilha, rá.

Brincadeiras a parte... tivemos uma boa notícia, a avaliação geral até aqui foi positiva! Agora, é só esperar o médico liberar a continuidade do pré-tratamento. Porque com a gente é assim, eu fico com 50% e ela fica com o resto.

Aula de Jornalismo na Internet - 19.08.2010

Aprendemos a criar mapas personalizados! O meu mapa particular já esta pronto e se você quiser pode me visitar. ;) [Só que eu não sei fazer café, ok?]



Visualizar Casa da Nayara de Oliveira em um mapa maior

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Querido Diário - 10º Dia.

Quarta-feira, 18 de agosto, segundo dia dela internada para receber o tratamento de reabilitação do corpo. Não nos falamos por telefone, apenas por msn e via e-mail. Aliás, ela me mandou a sua agenda diária por e-mail, com diálogo com o doutor e tudo, rs. Também me contou que faria exame de sangue e outros de rotina.

Estava mais animada, pelo menos foi o que consegui sentir pelas palavras escritas. Eu a conheço e consigo decifrar cada emprego de letra, sinal, rima ou qualquer tipo de brincadeira. [Vou contar um segredo, mas ela não pode saber, tá?... Ela é uma "paiaça". Brinca com tudo e consegue fazer com que um grupo de três pessoas, se sinta em uma festa super bombando, rs].

Voltando ao assunto... O médico disse que, com apenas um dia de tratamento, ela já apresentou uma boa melhora em seu condicionamento físico e que se continuar assim vai conseguir fazer os exames até o final da tarde de quinta-feira, e receber alta. E se tudo der mais certo ainda, seu corpo vai aceitar a radioquimioterapia de boa. E isso, é muito bom. É, tipo, mais que super meio bom, como diríamos pessoalmente.

Às vezes, acordamos down. Hoje, sou eu.

Logo pela manhã, percebi que não terei travas na língua. Que as declarações são as melhores formas de dizer o quanto nossas amizades nos faz bem e me agarrei nelas. Todos já sabem que não importo em dizer que os amo. Na verdade, falo isso até demais. Sou melosa, sou grudenta e gosto que saibam o quanto estimo a cada um.

Nunca tive medo do que poderiam pensar sobre mim. Não é agora que terei. Eu quero mesmo é dizer ao mundo que nasci para aprender a viver. Se meus amigos fazem parte do meu viver... falarei, repetirei, abraçarei e farei o que for preciso para mantê-los comigo. Sempre!

Eu nunca estou só e meu coração tem dono, o viver. Sem medo de lutar, crescer, chorar, sorrir, sem vergonha de segurar firme a mão de alguém e dizer que preciso de ajuda, que estou com saudades. Gosto de me sentir bem, e, dizer o quanto amo as pessoas que me rodeiam e que elas fazem parte da minha vida, me faz bem.

Já perdi contato com amigos de infância por não doar meu tempo para um sorriso. Não quero perder mais ninguém. Porque na verdade, eu só quero ver todos felizes. E se possível, contribuir para que cada uma das minhas amizades seja a pessoa mais feliz do mundo. Sem medo de viver e de sorrir.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Querido Diário - 9º Dia.

Comentei com vocês que ela teria que fazer um exame porque o seu organismo não estava reagindo como o médico esparava?. Então, esta semana, o pré-tratamento da quimioterapia teve de ser interrompido. Desta vez, ela vai ficar quatro dias internada, mas será para fazer o tratamento de reabilitação do corpo para continuar recebendo os medicamentos.

A internação estava marcada para às 15 horas. Ela me ligou indo para o hospital e desligamos quando já estava entrando no estacionamento. Depois, ainda me mandou e-mails do corredor do hospital (ela conseguiu levar o notebook e a internet 3G, que bom!).

Sabe, no domingo, ela tinha lido uma história pra mim em que contava a rotina de duas irmãs que viviam na nesta situação e haviam prometido lutar 50% cada uma. Depois da história, ela me falou que estava com medo e eu disse que era pra ela ficar calma, que tudo ia dar certo, que Deus estava com ela e que tinha um monte de gente com pensamentos positivos.

Ela virou, me abraçou e chorou. Virei e disse: - E aí, eu luto metade e você luta o resto?. Ela respondeu que sim, que vai tentar ficar forte. Isso foi um bom sinal. Nada melhor do que querer ter força para permanecer forte, mesmo em situações que te deixam fracas fisicamente.

Agora, vamos esperar a semana passar rapidinho. Ela disse que vai querer passar o final de semana em casa. Vamos tocar mais violão e ela vai me ensinar alguma de suas músicas, que adoro ouvir.

Ah, hoje cedo, ela cortou o cabelo e me mandou as fotos. Ficou lindo.

domingo, 15 de agosto de 2010

Querido Diário - 8º Dia.

Frágil e forte. É assim que a vi na tarde de domingo. A primeira semana já passou, graças a Deus. Ela veio pra casa, encontrou os amigos e ficou quietinha. Toda essa rotina de médico e hospital deixa qualquer pessoa querendo casa.

Cheguei ao seu encontro depois do almoço. Ela não consegue comer, tudo o que coloca no estômago volta. Entrei no apartamento e ela estava por de baixo das cobertas. O abraço foi forte e as lágrimas já rolavam no rosto. Seria assim, tanto eu quanto ela sabíamos que a recepção seria cruel.

Depois de ficarmos por horas conversando e escutando música, resolvi fazer a música. Mas do que depressa, levantei e peguei a Minie - um violão takamine, lindo e maravilhosamente bom de escutar. Assim como fui rápida para pegar o violão, ela também foi rápida para desligar o rádinho que tocava ao fundo da nossa conversa.

Não sei se já contei, mas ela me dá aula de violão faz quatro meses e diga-se de passagem acho uma professora incrível e mais, com dez anos experiência e um DEMO sendo gravado, mas isso é história pra outro post, rs.

Bom, peguei o violão e começei a tocar. Foi uma sensação ótima, não demorou muito, ela já estava sentada e prestes a balançar as cordas. O riso já tomou conta do quarto. Muito risos. Hora de ir embora, e o abraço apertado deixou claro que estamos sempre juntas.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Querido diário - 4º Dia.

Hoje, 12 de agosto, o papo foi mais legal. Muitas risadas e mais calmaria. As dores não diminuiram, pelo contrário, ficaram mais sentidas. Agora, também sentimos a ausência de uma amiga próxima. Sabemos que é para o seu bem, o nosso bem. Acontece que amizade não tem controle e vamos continuar sentindo essa falta a cada dia.

O médico extendeu a primeira semana de pré-tratamento em mais um dia. Ela precisa fazer um exame porque seu organismo não reagiu de forma esperada. Está fraco e isso faz a diferença na hora de tomar os medicamentos. Mesmo assim, continuamos fortes e confiantes.

A vontade de desistir apareceu com mais intensidade, mas a força de continuar também. Ela sempre está presente e agradeço a Deus por isto, por ela permanecer firma na vontade de querer sempre mais.

Muitos devem estar se perguntando como posso colocar tudo aqui, justo no lugar em que todos podem ver. A resposta é porque não tenho medo de que percebam o quanto meus amigos são importantes e cumpriria minha promessa em qualquer momento que fosse, de dor, de tristeza, de alegria ou qualquer outro que seja.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Querido diário - 3º Dia.

Ligo pra ela e ela diz que não é uma sensação boa. Que está com fome, mas que não consegue comer. Que não aguenta mais e que tem medo de levantar. Que pensava ser forte. Eu respondo que ela é forte.

Sinto as suas lágrimas correrem pela face, mas eu apenas sinto e ouço sua voz trêmula e triste. Estou contigo, digo. Eu sei, ela diz. Obrigada por me dar ânimo, ela diz. E assim, acaba mais uma dia. O 3º. Ela estará de volta para o final de semana.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Querido diário - 2º Dia.

10 de agosto de 2010. A notícia não é tão boa. As dores ficaram fortes, a hemorragia já aponta como o organismo está reagindo. A desistência já passou pela cabeça dela, mas graças a Deus ainda existe forças para lutar dentro daquele corpo frágil e fraco por conta dos medicamentos.

A nossa conversa não foi muito animada, aliás, por esses dias de pré-tratamento, acho difícil que qualquer assunto seja animador. A não ser o de planejarmos o nosso final de semana, afinal, todas as quintas-feiras ela estará de volta. Mas na verdade, ela nunca sai daqui, do meu coração, dos meus pensamentos e da minha vida.

Segundo dia já foi, a dor apareceu, mas somos fortes, somos unidas e únicas. Vamos lutar a cada minuto e isso será mais fácil. Somos TRASTES, somos BESTAS e somos nós, somos muito nós, ou seja, ninguém entende, rs.

"Me faz acreditar... que a vida não acaba aqui." - Talita Farah - Sonhando Entre Acordes.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Meu dia... Nosso dia...

Nove de agosto e completo 20 anos. O comentário, 2.0, melhor do que 1.6. Hahaha. Engraçado? Não tanto quanto correr pelo gramado da Unimep acompanhada pelo Léo e pela Carol. Meu dia começou maravilhosamente bem. Minha mãe também faz aniversário no dia nove de agosto, então, neste dia, o abraço de bom dia vem acompanhado com um parabéns todo especial e um beijo capaz de sentir a alma de tanta transparência.

Ao contrário dos outros anos, desta vez, mamãe me procurou pela casa. Normalmente, eu levanto e vou ao encontro dela para desejar felicidades, rs. Mesmo diferente, o abraço foi o mesmo. Adoro esse momento, não do aniversário, mas do abraço apertado, sempre faço isso com ela,rs. Mas o dia não acabou por aí, aliás, nem tinha começado direito. Várias mensagens no celular, ligações, scraps no orkut, tweets, abraços, beijos, presentes e tudo mais.

Fiquei extremamente agradecida por todo o carinho recebido. Recebi ligações de pessoas que a muito não falava, e isso foi ótimo. Recebi visitas de quem faz a diferença em minha vida e até mesmo recebi parabéns de pessoas que nem tenho muito contato, mas que, com certeza, se tornou parte do capítulo número vinte desta história louca e que ainda nem começou. Aos meus amigos que me felicitaram, obrigada.

Agradeço a todos que de alguma forma demonstraram seu carinho. Agradeço a todos por fazerem parte da minha vida, independemente da porcentagem de protagonismo que seja, obrigada, obrigada e obrigada. Ah, e parabéns para minha mãe e obrigada por me dar o priviégio em ter uma mulher guerreira e tão especial como uma referência pessoal. Te amo mamãe!. Que vivamos muitas coisas boas juntas.!

Querido diário - 1º Dia.

Hoje, 9 de agosto de 2010 e completo 20 anos. Completo vinte anos e tenho a sensação de que me falta um pedaço. Minha outra metade, amiga, está em outra cidade, pronta para começar um tratamento de saúde duradouro e dolorido, mas que vai passar com bons resultados. Está tudo entregue a Deus e confio Nele, confio muito.

Meu coração quebrado, sorri e chora. Ao mesmo tempo que me mantenho firme para passar segurança, me mantenho humana e isso me torna tocável aos sentimentos negativos que me rodeiam a alma. A tristeza bate no peito, a saudade dói lá dentro e eu estou ao seu lado.

Sei lá, é difícil definir tudo o que se passa na cabeça, mas eu sei o quanto estamos ligadas e o quanto estamos unindo nossas forças. Não estou escrevendo para desabafar, estou cumprindo a minha promessa. A história, nem todos conhece. A amiga, eu conheço melhor do que ninguém. Conheço sua força, sua fragilidade e sua alma. Conheço sua voz e suas intenções, seu sorriso e sua lágrima. A amiga já é uma irmã de casa, de ser chamada de filha pelos meus pais e de tia pela pequena Sarinha.

Saiba que estarei sempre com você. Estarei ao seu lado a cada minuto dessa caminhada e conseguiremos passar por todo esse trajeto juntas. Este, conforme já falamos, será o meu diário, o meu não diário secreto e o seu, tão somente seu "pensamento".

"Entre acordes a gente para pra conversar, e o tempo parece passar tão depressa, então esquecemos o relógio e lembramos que o tempo não vale nada, por que não importa se demoramos tempo demais pra nos encontrar, nesse 1 ano em que a gente se completa é como se fossemos parte uma da outra a muito, muito tempo!

Entre acordes a música toma forma, a melodia faz sentido, a letra e a harmonia se encaixam em uma inexplicável combinação perfeita! Entre acordes eu me lembro que nunca estou sozinha, por que tenho o que me faltava! Entre acordes não cabe mais nada, só eu e você, e isso basta!", Talita Farah.

Vai ficar tudo bem. O diário começa agora.! E a nossa força vai aumentar a cada dia.!

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Minhas queridas noites

Um mês e muita saudades. É incrível como sempre procuramos explicações para tudo, para o amor e para o ódio. Acontece que não paramos para entender que têm coisas que não se explicam, e, a amizade é uma dessas coisas. Não percebemos o quanto sentimos a falta de nossos amigos até que tenhamos a distância imposta em nossa frente.

O período de férias passou bem rápido. Gostei disso. Apesar de toda a correria, que não consigo entender até agora, é muito bom ter meus amigos de volta. Minhas noites não são as mesmas sem eles, não adianta. Os abraços, risos, beijos e as palavras trocadas já se tornaram minha fonte de energia e de paz. Nossos momentos são sempre os melhores e a cada dia uma nova história. Sem rotina, sem limites e sem definição.

É incrível quando mesmo em silêncio conversamos através dos olhares. Pudera eu poder explicar todo essa ligação que temos um para com o outro, mas não. Certo momento, um deles falou sobre como somos diferentes, o modo como não temos vergonha de demonstrar nosso afeto em público. Tudo prova de uma amizade que não espera nada em troca e que não se limita pelo o que as pessoas impõem. Amo esse nosso jeito despreocupado, sincero e único. Amo todos vocês meus amigos e companheiros de aventura. Estava com saudades de vocês!

quinta-feira, 29 de julho de 2010

3º artigo

As coisas estão caminhando. Espero que gostem do meu novo artigo do Localize. Este já é o terceiro. Leiam e comentem!

http://www.localizeaki.com/noticia2/item/16/27/07/2010---e-na-educacao,-a-‘esperanca-e-sempre-a-ultima-que-morre’

Abraços e meus mais sinceros agradecimentos!

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Pela segunda vez, decepção: 'Vamos lá time'

Antes tivéssemos perdido jogando, mas não, perdemos sem nem ao menos ter a oportunidade de mostrarmos o quanto estávamos preparadas. Infelizmente, fomos desclassificadas por não comparecermos a partida pelas quartas de final. Aliás, até que fomos para o jogo, uniformizadas e tudo, mas chegamos com uma hora de atraso e já tinhamos perdido por W.O. E de quem foi a culpa? Do João, do José ou seja lá de quem for.

É sempre assim. Mesmo que o culpado se entregue, nada vai mudar. Continuaremos fora, continuaremos sem sermos ouvidas e continuaremos a mercê da má vontade e da falta de compromisso, não apenas com a modalidade, mas acima de tudo, com as próprias atletas. E é uma pena, porque são estas mesmas atletas que deixam de sair com as famílias, que pedem dispensa do trabalho, que até mesmo perdem o emprego para poderem representar a cidade em uma única partida de futsal num dos campeonatos mais esperado do ano, os Jogos Regionais, ou, em qualquer outro jogo que seja.

Sabe... não queria falar qualquer coisa sem pensar em todas as possibilidades e sem tentar entender o outro lado, mas não existe uma explicação boa o suficiente para apaziguar meus sentimentos descontrolados. Mesmo que eu tente colocar tudo para fora, mesmo que eu tente segurar alguns dos detalhes, é difícil manter na alma toda esta angústia.

Vendo o nick do msn de uma amiga do time dias desses, fiquei cheia de forças para escrever. O nick dela dizia assim: "No novo tempo, apesar dos castigos,estamos crescidas,estamos atentas, estamos mais VIVAS! Que o futuro comece agora. Vamos time - Caren Cordeiro." E, acho que realmente está na hora de levantarmos a cabeça e buscamos um algo novo, um novo começo.

Neste momento, só preciso falar, ou melhor, escrever. Para quem sabe, espero que entendam o nosso lado, o lado do atleta e do gosto pela modalidade. Para quem não sabe, me desculpe jogar esse monte de informãções sem pé e nem cabeça, mas é isso. É assim que vai ficar, da mesma forma que ficou para cada uma de nós quando não sabíamos o que dizer.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Parabéns pelo seu dia, amigo.

Queria muito poder dizer cada característica maravilhosa de cada um dos meus amigos aqui no meu bauzinho. Acho até que conseguiria, mas, é melhor não. Seria injusto não detalhar algum ou até mesmo deixar de dizer todos dons que cada um possui.

Já que não é uma boa idéia fazer isto, deixo meus sinceros votos de agradecimentos por cada minuto de suas vidas que vocês meus amigos dividiram comigo. Saibam que é um prazer enorme poder contar com vocês sempre que preciso e sempre que não preciso. Na verdade, é um prazer poder chamá-los de amigos e isso palavra nenhuma consegue descrever.

A sensação de saber que tenho pessoas com quem posso confiar é maravihosa e a culpa de eu sentir isso é de vocês. Por isso, muito obrigada!

Simples, breve, sem grandes decorações e nem palavras difíceis. Mas, de todo o meu coração e da maneira mais sincera possível. Um forte abraço e parabéns pelo seu dia, amigos.

20 de julho de 2010 - Dia do Amigo

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Sobre o apego

Sempre dizemos o quanto gostamos de alguém ou o quanto desgostamos. Mas na 'minha' verdade, sentimento é tudo aquilo que não se pode calcular. Poderia dizer, como já disse mil vezes, gosto mais do que mil estrelas ou mais do que a imensidão do mar, enfim, podemos tentar utilizar de todas as compareções possíveis e até impossíveis, mas nada será suficiente para demostrar, realmente, o grau de emoção/sentimento que passa por dentro de nosso coração.

Não aprendi a gostar, nasci gostando. Gostando de aprender, de querer o mundo, de querer a vida, os amigos e a família. Nasci gostando de querer aprender a brincar de terra, dançar na chuva e comer chocolate. Nasci gostando de gostar, mas ainda não aprendi como identificar o grau dos meus sentimentos, e não me importo com isso. Apenas sei que todos são fortes o suficiente para não sairem de mim.

Já me perguntaram como consigo sorrir na tristeza e dançar na angústia, respondo que é porque não tenho tempo para mais nada, mesmo que seja internamente, ser feliz e aprender me consomem todo o tempo do mundo, até mesmo o tempo de não querer e o de não gostar. Acredito nas minhas explosões de sentimentos. Sou indecisa? Muito. Não sei me deduzir? Não, não sei. E é isso que me faz continuar caminhando na expectativa de ser uma eterna aprendiz.

Para viver não basta respirar. É necessário sentir o ar entrando pelos seus pulmões e retirando todas as suas impurezas. É o que acontece conosco todos os dias. Já sabemos viver, assim como amar e odiar, mas vivemos cada dia para aprender algo novo, seja para distinguir a qualidade ou para descobrir a quantidade.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Mais um passo

Hoje, passo por aqui para compartilhar uma nova etapa, ou, um novo passo em minha vida, tanto pessoal quanto profissional. Não imaginava que fosse conseguir ingressar na área de Comunicação tão rápido, apesar de estar estudando para isto. Sim, sou estudante do quarto semestre do curso de Jornalismo na Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba).

O começo foi no Jornal de Nova Odessa. Depois de três meses de estudo, estava eu sendo convidada a fazer uma entrevista para estágio no jornal. A entrevista foi ótima e o tempo que passei por lá também. Dois meses depois, e o desafio já era outro, um compromisso ainda maior: trabalhar na Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal. Logo mais, completo um ano de PMNO. Fico feliz por isso. Neste tempo, sei que ganhei mais do que companheiros de trabalho, ganhei amigos e grandes professores.

Três semestres do curso completados e Nayara é convidada para fazer parte de um outro desafio, desta vez, ser colunista do LocalizeAki, um novo site de busca de Americana, mas que abrange cidades da Região. Reunião de apresentação, convite aceito e a sorte já foi lançada, ou melhor, já está no ar na página de artigo do site: http://www.localizeaki.com/. Não sei se estou preparada, se vou agradar ou se vou saber escrever, de qualquer forma, vou continuar fazendo o que sei, dar o melhor de mim.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Trio e o pequeno Kauhê.


Legenda: Nath e Nay na visita ao pequeno Kauhê, filho da Carol. Agora, já não somos três e as titias são corujas, rs. Rio Claro, 19/06/2010.

Há momentos que nem as palavras são suficientes para expressar qualquer sentimento que seja. Acredito que uma foto fale mais do que mil palavras e também acredito que me faltariam palavras para dizer o tamanho da minha felicidade em poder estar junto, novamente, com minhas queridas confidentes das noites na faculdade.

Natália, tê-la por perto mais uma vez foi ótimo (Agora, ela faz Estética em São Paulo). Carol, tê-la presente no meu dia-a-dia é maravilhoso. Amo vocês.

Para meus amigos!

Nem sempre é preciso estar no palco para fazer parte do show. E com vocês é assim, de longe, são as minhas participações especiais. Que continuem no meu repertório, assim, certamente, vou cantar a felicidade e regravar em meus álbuns as letras que qualquer um gostaria de ouvir.

E nos meus mais belos leads da vida, será essa a tese principal, o de viver nem tão longe do chão, para que vivamos todas as oportunidades concretas possíveis e nem perto demais, para que possamos dar vida aos nossos sonhos.

Sim, eu sei, meio melódico e fora do meu normal, mas as amizades são assim, difíceis de serem explicadas e mais ainda de serem esquecidas. Amo vocês.

Fiz esse depoimento para uma amiga de Bauru, mas percebi que todos os meus amigos se enquadram perfeitamente nele. Então,resolvi reproduzi-lo aqui também. Para que vocês saibam que independentemente do grau de relação que tenhamos TODOS fazem parte do meu show.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Dia do Funcionário Público Aposentado

17 de junho - Dia Nacional do Funcionário Público Aposentado. Aí eu penso: - Meu, realmente, não tem mais o que se inventar!.

Na verdade isso me fez refletir. Me considero uma pessoa de sorte por ter tido a oportunidade de começar a trabalhar na Prefeitura. Não por me tornar uma funcionária pública, mas por já ingressar na minha área profissional. Começei à trabalhar na Coordenadoria de Comunicação da Prefeitura de Nova Odessa um dia após completar 19 anos e após três meses estudando Jornalismo (hoje, estou no 3º semestre, lá na Unimep). No dia 10 de agosto, completo um ano atuando na área.

Daí, por um minuto, me vem a cabeça ver o que comemoramos neste dia, e acabo por me deparar com o Dia do Funcionário Público Aposentado. Rá! Chega até ser engraçado o nome da data, já que, normalmente, o funcíonário público é considerado um constante aposentado. No entanto, a verdade não é essa. Ao menos não aqui na Imprensa de Nova Odessa. Temos horas para chegar, mas se precisar, chegamos antes. Temos horas para sair, mas se for preciso, saímos mais tarde. A Mirela sempre faz isso.

Hoje não é o nosso dia, definitivamente. Comemorem os que já estão em casa comendo amendoim e assistindo a sessão da tarde. Enquanto isso, nós aqui da Imprensa, trabalhamos para manter a população informada sobre as ações públicas da Administração. Ah, e parabéns aos funcionários públicos aposentados. Mas, digo isso apenas para os que verdadeiramente estejam aposentados, hein. Rs.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Meus ônibus!



Recentemente, estava eu e uma amiga, a Talita, voltando de uma noite em Piracicaba, quando paramos na Rodoviária pegar a passagem para o ônibus que viria direto para Nova Odessa. Isso às 8 horas. O ônibus sairia às 8h15. Como esperaríamos por pouco tempo, decidimos esperar em frente à plataforma 12 e 45 minutos depois, olho para a Talita já totalmente impaciente e peço para que ela vá até o vendedor e pergunte o que aconteceu, já que o ônibus estava atrasado. A resposta foi a mais simples do que a esperada.

- O ônibus saiu na hora Nay, ou seja, perdemos o ônibus em frente a plataforma. FAIL. Só sei que na hora fiquei muito irritada, afinal, estava cansada, com sono e esperando a quase uma hora. Hoje, sentamos para rir com o que aconteceu, uma cena inédita no meu filme, e espero que continue assim. Rs.

Mas minhas peripécias com ônibus não terminaram por aí. Na semana passada, fui para minha aula de violão e detalhe: com a mesma amiga, a Talita. Na hora de ir embora, digo que quero passar no MAC e vamos até lá comprar algo para matar minha fome (a Tali mora ao lado do MAC da Paulista, então, sempre que vou lá tenho a necessidade de comer um Chicken, que eu ADORO).

Enfim, saindo de lá vejo que vem vindo um ônibus, e leio: Jardim Picerno. - Tali, vou perder o ônibus. CORRE. (E saímos desesperadas com o lanche na mão).
De repente, olho para trás, estou a uns sete metros a frente da Tali e já não há mais ônibus algum vindo. Ela para e grita. : - Nay, não é seu ônibus sua louca. Pode parar de correr.

Resultado: Caímos tanto na risada quanto na correria. Estou ficando expert em pagar mico com ônibus, não é mesmo?

De volta ao querido Conto - Continuação

Tá bom. Já entendi que eu preciso de mais de um dia para voltar aqui no Contos de naná. Mas, já se passaram todos os dias suficientes e mesmo que for para uma breve contação de histórias, estou cá para encontrar, novamente, meu alívio de alma e desapego da individualidade.

Nunca me imaginei correndo atrás de um ônibus, assim como nunca havia me imaginado perdendo um ônibus em frente à plataforma do mesmo. Pois é, durante esses dias que fiquei longe do meu espaço digital, me aconteceram muitas coisas.

Certamente, se fosse aplicada, teria histórias e mais histórias para contar. Agora, basta atualizá-los das mais intensas e que, conseqüentemente, marcaram alguns de meus dias.

terça-feira, 8 de junho de 2010

De volta ao querido Conto

Depois de pouco mais de um mês, rs, resolvi olhar de fato para o calendário e notar que praticamente abandonei meu blog. Na verdade, quando o criei queria ter muitas idéias, atualizá-lo todos os dias, escrever coisas boas e até tentar transformá-lo em um "diário digital", mas já percebi (e vocês também) que não consigo fazer isto, rs.

Contudo, resolvi me redimir com o Contos de naná, pedir desculpas pelo atraso nas atualizações. Acontece que as coisas andam corridas demais ultimamente, de verdade. É trabalho, faculdade, o inglês não (nem estudo direito,rs). Às vezes, por estar constantemente ocupada com outras coisas, outras vezes, por falta de saber o que escrever.

De qualquer forma, já tenho histórias para contar e não vou precisar de mais do que um dia para voltar marcar presença nesse espaçinho que tanto amo, mas não sei o que acontece que meu relógio anda tão depressa.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Seja bem vinda Larinha!

Quinta-feira, dia 15 de abril e a previsão médica falhou! Minha irmã até foi ao médico, que por sinal, sugeriu aguardar por uma cesária até o meio-dia da sexta. Conforme combinado (meio dia de sexta) minha maninha (na verdade mais velha, porém, menor em tamanho, rs) vai ao "encontro hospitalar" mais esperado, rs.

Doutor: - Então Sandra, você está com tanto de dilatação, vamos aguardar o parto normal.

Tudo bem! Sem problemas, afinal, quem melhor do que o próprio médico para indicar algo. (Não vamos falar de erros médicos e tals, ok?. Maninha volta para casa, alías, vai me buscar no serviço.

Eu: - Que que você tá fazendo aqui San? Ela: - O médico falou para esperarmos o parto normal Eu: - O pequenina, não quer conhecer a titia não? Haha.

Detalhe: Sábado, 17 de abril, e Nayara teria aula de violão. Liga para Sandra e nada de bebê estar a caminho. Liga para Sandra e ela ainda em casa. Eu: - Bom, vou pra aula então, tá San? Ela: - Vai sim Ná. Qualquer coisa o André (meu cunhado) te liga!

Duas da tarde, Nayara na aula de violão e o celular toca. Eu: - Alô. Do outro lado da linha: - Ná, é a mãe. A Larah nasceu. Eu: ... ^^

Melhor do que receber a notícia que minha sobrinha mais nova havia nascido com 47 cm e 2,750 gramas foi poder vê-la. Aqueles olhinhos pequenos totalmente em sintonia com o restante do corpo. A pequena Larah estava do lado de fora da barriguinha da minha irmã e já com um ar de esperteza, inexplicável.

Seja bem vinda minha pequena, seja bem vida a família, seja bem vinda ao meu mundo e a minha vida. Alías, minha vida ficou com mais cor, brilho e sentido. Já tenho uma sobrinha linda de 5 anos, a princesa Sarah, e, agora, tenho a pequena Larah. Minhas duas riquezas.

Desculpem a demora em contar para vocês, mas a falta de tempo me pegou de jeito esses dias. E só pra constar... sou titia coruja sim e ponto.

sábado, 24 de abril de 2010

Vou de samba com Maria Rita


“Não deixe o samba morrer. Não deixe o samba acabar. O morro foi feito de samba. De Samba, prá gente sambar...”. Imaginem o povo gritando com as mãos para cima e a maravilhosa Maria Rita, emocionada, ao palco soltando a voz e levando todos ao encanto da música. Foi isso o que presenciei, foi isso que, inexplicavelmente, senti.

Na verdade, comprei meu ingresso há 45 dias, e desde então, junto a contagem regressiva para o tão esperado show, também já sentia algum tipo de sentimento, emoção, qualquer coisa que se enquadre a uma imensa ansiosidade.

Tive a oportunidade de cantarolar a play list do último show da turnê ‘Samba Meu’ da cantora em São Paulo e, sinceramente, foi tão bom quanto imaginei que seria quando garanti minha vaga na casa (Citibank Hall), que diga-se de passagem, ficou completamente lotada.

Com todo seu charme, entusiasmo e uma presença de palco inconfundível e encantadora, Maria Rita estava linda. Apesar da discrição, me tirou lágrimas, gritos, aplausos e toda a admiração possível. Hoje, tenho certeza, estou ainda mais apaixonada pelo samba, pela entrega a melodia e pela qualidade da música popular brasileira.

Não poderia deixar de dizer, e gritaria se fosse possível, que sem dúvidas, tive uma das noites marcantes da minha vida e desta vez, a imagem que terei na lembrança vai ser uma moça de cabelos ondulados, sorriso delicado e com um estilo único. Porque se vocês querem saber, sim, ela é uma das pessoas que chegam para ficar.

“Mas muito pra mim é tão pouco. E pouco é um pouco demais...”.

Foto: Ronald Gonçales
24/04/2010

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Pitadinha do dia!

Tenho muitas novidades para contar. Na verdade, teria "mil" posts para escrever, mas hoje, resolvi reproduzir, apenas, um texto do Comunique-se. Este vai ser o primeiro de muitos textos que pretendo postar ainda neste mês. Vou começar a rascunhar logo, prometo! Por enquanto, fica meu abraço e a pitadinha do dia!. Ah, outra coisa... estava com saudades. ;)

Qual o papel da imprensa: informar ou fiscalizar?

“Eu não vejo diferença entre informar e fiscalizar. Informar é fiscalizar”. Dessa maneira o jornalista Fritz Utzeri encerra a polêmica levantada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, Lula afirmou que o papel da imprensa não é fiscalizar, mas informar.

“Eu concordo com o Lula quando ele diz que o papel da imprensa é informar, mas discordo quando ele diz que informar não é fiscalizar”, explica Utzeri.

Esse é o mesmo entendimento da jornalista Dora Kramer. “Você só informa, de uma maneira completa, investigando e, portanto, fiscalizando”. A colunista do Estadão critica a declaração do presidente e lembra que, quando era da oposição, a fiscalização feita pela imprensa servia para o partido do presidente.
“Quando ele era da oposição sabia muito bem o papel da imprensa”, afirma Dora.

Essa também é a avaliação do jornalista Milton Coelho da Graça. “Quando ele era oposição, a imprensa publicava tudo que ele falava de mal do governo. Agora, a imprensa continua fazendo a mesma coisa. Ele que mudou de lugar, não a imprensa”, afirma.

Sérgio Matsuura, do Rio de Janeiro - 23/10/2009
Fonte: Comunique-se - O portal da comunicação

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Dia dos meus Jornalistas!

Ontem, 7 de abril, foi comemorado o Dia do Jornalista e não poderia deixar de parabenizar meus jornalistas preferidos e queridos amigos: Luciana de Luca, Mirela Leme e Vagner Salustiano.

Lembro-me perfeitamente quando entrei trabalhar na prefeitura: 'extremamente tímida ou quieta ao extremo', como preferirem. Com o tempo, a menina que até pedia para atender ao telefone virou uma tagarela e já estava com a área profissional traçada. Não precisava mais do que a correria da rotina da coordenaria de Comunicação para saber que também queria ser jornalista.

Primeira profissional com o qual tive contato na vida, Luciana de Luca foi essencial para minha decisão. Nunca escondi minha admiração pelo trabalho e por achá-la uma excelente profissional. A Mirela chegou um pouquinho mais tarde, mas no momento certo. Cultura personificada me deu ainda mais motivos para querer seguir por este caminho. O Vagner, um professor que não dispensa as técnicas, com certeza, me fará ser uma futura jornalista com mais visão e sensatez.

Me orgulho de poder falar que os três foram e serão eternamente fundamentais para meu crescimento tanto profissional quanto pessoal. Se conseguir cumprir meu dever de casa, serei uma boa jornalista. Afinal, sem dúvidas, tive os três melhores professores do mundo. É com imenso prazer, que deixo meus parabéns e agradeço por fazerem parte da minha história.

*A Lígia Paloni, professores jornalistas e todos os amigos da faculdade que pretendem, assim como eu, comemorar esta data daqui a alguns anos carregando o diploma nas mãos, meus sinceros parabéns.

Leia também meu post especial sobre a data no CQLV: http://quecorralavoz.com/plus/qclv-drops-%E2%80%A2-dia-nacional-do-jornalista-07-de-abril/

terça-feira, 30 de março de 2010

Alan, o Mota tá?

Ai ai ai, quando acho que tá indo tudo bem, cometo uma loucura nova. Depois de atender o telefone com alguém batendo na porta e de ficar horas com o fone de ouvido sem música alguma tocando, eis que apronto uma muito pior.

Pego o telefone (sempre o telefone) e disco oooo-oooo. Beleza!. Começa e tocar e pronto:

Pessoa: -Transporte, Sydnei, bom dia!
Eu: - Alan, o Mota tá aí?
Pessoa que agora é o Sydnei: - Quêm?
Eu: - O Mota, Alan.
Sydnei: -Quem fala?
Eu: - É a Nayara. Quem tá falando?
Pessoa: - É o Sydnei, Nayara. Você ligou no transporte!.
Eu: - Aiii Sydnei, desculpas.!

Meu, se eu não soubesse decor a voz e a forma com que cada setor atende o telefone, juro que me perdoaria. Essa foi foda.! E a vergonha então? Nem se fale. Rsrs.

segunda-feira, 29 de março de 2010

Doida eu? Acha!.

Quinta-feira, dia 25 de março, (normalmente de quinta o dia é mais tranquilho na assessoria, afinal, o jornal da cidade só sai de terça, quinta e sábado). Pois bem, estou sentada em frente ao computador, quando escuto um barulho 'toc-toc-toc' mas que rápido atendo o telefone e eis a conversa:

Eu: -Imprensa!.
Telefone: - ............
Eu: -Alô! Imprensa!.
Telefone: - ............

Depois de ficar 'puta' por ninguém dar sinal de vida do outro lado da linha, minha reação não poderia ser outra,e caio na gargalhada quando percebo que na verdade o 'toc-toc-toc' era sinal de que alguém batia na porta e não que estavam me ligando. Devia ter percebido isso quando o barulho que escutei não foi o Trililim, Trililim... rs.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Resumão

Nossa, nem tinha percebido o quanto "abandonei" meu blog. Acordei animada a revivê-lo e como há muito tempo não escrevo vou fazer um resumão do que se passou durante esses exatos 33 dias de total "abandono".

Dia 22 de fevereiro – Começou as aulas e a primeira semana foi maravilhosa. Reencontro dos amigos que moram em cidades diferentes, barzinhos, contar novidades, conhecer novas pessoas e tudo mais.

Dia 23 de fevereiro – Descobri que a amizade verdadeira não tem barreiras e que a sinceridade faz os laços de afinidade ficarem ainda mais fortes.

Dia 2 de março – Participei da gravação do
programa: Altas Horas no Cirque Du Soleil.
(Foi maravilhoso. Tive um dia perfeito com meus amigos e ainda tive a oportunidade de ver Nando Reis, Pitty, D2 e Maria Gadú. Todos de uma só vez, além de assistir a 5 apresentações do circense, que me deixaram com lágrimas nos olhos e com o coração disparado de tanta emoção)

Dia 6 de março – O Luccas Di Callore fez aniversário e não foi na faculdade para receber meu abraço apertado. (Parabéns de novo)

Dia 11 de março – Meu querido amigo Eduardo Soffiatti completou anos de vida. (Que você tenha muitos e que eu participe de muitas coisas boas com você)

Dia 20 de março – Fui pra Piracicaba comemorar o aniversário da Débora e do Leonardo no Manga Rosa. (Não me lembro de tudo, por isso, essa parte dica sem detalhes, rs)

Com certeza, esqueci de várias coisas! Mas, de qualquer forma, foi isso!.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Parabéns!.

Bom, nem preciso dizer o quanto acompanhei o seu blog né, Lu? Asssim como acompanhei intensamente o "Além do que se vê", "Uma sereia aposentada" e "Filosofia de Calçada". Um pouco atrasada, ou muito, hoje aproveito a data, não apenas para dar parabéns para o "Cantinho Escondido", que na semana passada, junto ao Além do que se vê, completou 1 ano de vida, mas também para a dona dele, Luciana de Luca.

Hoje, 19 de fevereiro, Luciana completa 20 e 11 anos (rsrs), e é com imensa satisfação que venho parabenizá-la através do Contos de naná. Eu que não poderia deixar de esperar ansiosamente a data para logo desejar felicidades e apesar de já ter o feito, desejo novamente.

Amiga, espero mesmo que esses próximos 365 dias sejam maravilhosos. Que você continue navegando nesse mar de conquistas e que continue sendo iluminada por Deus. Muito sucesso e, principalmente, muita saúde e paz. Um mega abraço e tudo de bom querida.!

Quem quiser participar da festa: http://ludeluca.blogspot.com/2010/02/e-hoje.html

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Uh é Megafone!.

Que carnaval foi esse? Perfeito. Quatro dias de festa, amigos e música boa. O Megafone entrou em peso no ncnto. Quem não foi, sinceramente, perdeu. O clima do bloco, em rosa e branco, contagiou o ambiente e, em todos os dias, até a banda parou para escutar o coral gritando: Uh é Megafone, Uh é Megafone, Uh é Megafone.

Arrepiava com o som, acelerava o coração. Voz, não se coninha na garganta e afinado, ou não, todos estavam lá pulando e gritando mais um vez: Uh é Megafone, Uh é Megafone, Uh é Megafone. A breve retrospectiva não poderia ser melhor. No 1º dia, sábadão e ainda na contração, o sangue já perdia a sua cor avermelhada e se tornava rosa. No domingo, até as crianças entraram na brincadeira, e a matinê foi inocente.

O 3º dia não deixou a desejar e o bloco continuava a distribuir alegria. Na terça-feira, o CarnaTchau no Atlas foi a despedida perfeita e o início para a expectativa do próximo ano. Foram bons dias, foram ótimos dias. As madrugadas se tornaram fontes de felicidades, e hoje, continuo lembrando delas e dos risos que dei com os amigos. Quem participou não vai esquecer.

Quero aproveitar para deixar um agradecimento especial ao Quecorralavoz, em nome do Felipe e Fernando, que idealizou esse maravilhoso bloco (Megafone) e que, com certeza, marcou o Carnaval de todos em 2010. Um grande salve meninos e parabéns pelo sucesso.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Que papo!

Estávamos eu e a Sarah na sala assistindo pela milésima vez, o filme: "Os Jovens Titãs", quando ela resolve fazer alguns comentários e sérias perguntas.

Sarah: -Titia sabe quem eu vou namorar?
Eu: -Quem?
Sarah: -O Robin.
Eu: -Sarinha, você não acha que ainda é muito cedo para falar sobre isso. Você é muito nova!
Sarah: -Eu sei titia, é quando eu ficar grande.
Eu: -Mas querida, ele é um desenho. (Essa conversa eu já havia tido com ela. Sei o quanto é bom ter amores platônicos, mas achei melhor explicar sobre desenhos e filmes serem montagens, criações e tals).
Sarah: -Titia, mas, se eles são desenhos e a gente não, como todo mundo existiu?

Pronto!. Nessa hora, (apesar de achar a pergunta mais sem noção da menina, que às vezes me a surpreende com tanta esperteza), senti o céu desabando sobre a minha cabeça. O que eu deveria falar para que essa conversa não tivesse um final infeliz, para mim, claro!

Eu: -Bom, a sua mamãe não te contou a historinha da bíblia? Que foi Deus que criou o primeiro homem e depois a mulher e aí foram nascendo filhos e filhos e filhos...
Sarah: -É tia, isso eu sei. Mas...
Eu: -Tá bom Sarinha, depois você pergunta isso para a sua mãe, ok? Ela vai saber falar melhor.

Rárárá... Foi o papo mais estranho que já tive com a minha pequena até hoje. E acredite, pelo grau da conversa (que nem foi lá essas coisas) e pelo grau de desespero (que fiquei, porque quando falei para a mãe dela, ela disse que já tá acostumada com as perguntas da Sarah), ainda não estou preparada para isso. Mas, do jeito que essa moçinha é esperta e falante, é melhor me preparar, afinal, até que ela demorou a começar me perguntar coisas!.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

De onde ela vêm?

Rárárá... só de pensar na cena eu raxo absurdamente! Mas se eu não contar não dá né! É que é assim... Temos uma amiga que se chama Cristiane Mareschi. Ela trabalha no hospital de Nova Odessa, por consequência, almoça no hospital. Mas semana passada, ela quis mudar a rotina e resolveu almoçar no refeitório que nós da Prefeitura almoçamos.

Após todo um ensaio de explicações, caso alguém perguntasse algo por estar almoçando em lugar diferente, eis que ela se entrega. Estavamos apenas passando pegar a comida quando a cozinheira vê uma mosquitinha zanzando (Graças a Deus o refeitório é sempre bem limpo!) e fala:

-Eitá, de onde ela vem?, surpresa.

Desesperada que só, a Cris solta: -Do hospital!

Não poderia segurar por mais nenhum minuto se quer meu riso e explicar a situação: -Não Cris, ela tá falando da mosca! kkkkkkk...

Meu... foram os cinco melhores minutos antes do almoço que já tive no refeitório...Raxei absurdamente e por um longo tempo!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Acheiii...

Depois de horas balançando o pé em baixo da mesa do serviço - de tanto nervoso por ter perdido a bendita pasta azul como contei no post anterior-, lembrei que havia visitado entre as inumeras lojas, a Básico Malhas. Não pensei duas vezes, peguei o telefone e liguei.

-Alô!
-Quem fala?
-É a Joice.
-Joice lembra que eu fui ai pagar ontem e como tinha esquecido meu cartão do banco em outra loja não pude pagar?*
-Lembro sim!
-Então, eu esqueci uma pastinha azul com vocês?
-Com uma certidão de nascimento? Esqueceu sim! Tá guardada!
-Obrigada, Joice. Vou descer ai pegar!

Meu... a minha vontade era sair gritando de tanta alegria! Conseguiria tirar a bendita 2ª via do RG (que por sinal, descobri estar errado durante 8 anos da minha vida, assunto para um próximo post).

* Além de esquecer a pastinha e o cartão, ontem, na aula de inglês, já estava na porta de saída quando percebi que estava esquecendo meu material na sala de aula. Alguém sabe o nome de uma ótimo remédio para isso? Será que é prestar mais atenção? Vou pesquisar no google! rs...

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Estou ficando doida!

Vou contar uma história... "Era uma vez, uma menina que queria tirar habilitação... para poder dar entrada no CFC, foi necessário que pedisse uma 2ª via da cédula de identidade (RG). Quando essa menina foi pedir essa bendita 2ª via do RG, ela soube que teria que pedia também a 2ª via da certidão de nascimento, porque o bendito 1º dígito da certidão antiga estaria a ‘meio apagado’ (Detalhe, ela teria que pedir para o cartório de Nova Canaã do Norte - MT). Um mês depois, a 2ª via da certidão de nascimento chega linda e maravilhosa... Até que a menina feliz e saltitante vai até o Posto Local de Trabalho para fazer o bendito pedido da 2ª via do RG".

Meio confuso né? Qualquer coisa pergunta! Ok? Continuando... "Chegando lá no Posto, ela que havia esquecido de levar a 1ª via da certidão do nascimento, tem que voltar amanhã (no caso, hoje), porque deveria ter levado as duas vias. (e se ela não tivesse?). Enfim, a menina saiu do Posto na esperança de conseguir fazer o pedido da 2ª via do RG, hoje! Até que percebe ter esquecido a pastinha azul, com a 2ª via da certidão de nascimento, condição para fazer o pedido da 2ªvia do RG, em das lojas que visitou após a ida frustrada ida até o Posto".

Até eu me perdi para contar tudo isso, hehe. Continuando... "Hoje, dia de a menina ir novamente ao Posto e ela ainda não consegue encontrar a bendita pastinha azul com o documento. Mas não desiste e vai à procura da 2ª via da certidão de nascimento, que demorou 30 dias para chegar do Mato Grosso, para poder fazer o pedido da 2ª via do RG para finalmente dar entrada na bendita carteira de habilitação”... FIM.

Ops... Aí ela lembra que para poder fazer as aulas de habilitação, ela deverá fazer a 2ª via do pedido de dispensa das manhãs de serviço durante alguns dias, para o Chefe e só então, poder fazer o bendito CFC.

Agora sim FIM. Só espero passar de primeira tanto no CFC quanto nas aulas práticas, porque já não aguento mais tanta 2ª via e não estou a fim de passar na 2ª chance.

Minha nova menina!

Agora eu já sei! É menina! Contei em um dos meus post anteriores: http://nacarolini.blogspot.com/2009/10/pra-titia.html, que seria titia novamente dentro de casa (sempre temos sobrinhos espalhados por todo lugar, rs) mas que ainda não sabia o sexo do bebê. Pois bem, agora, já sei.

Toda a família está contente com a novidade, apesar de, já ser lotada de menininhas, no caso eu, minhas duas irmãs, minha mãe e a sarinha, que até já concordou em mudar de quarto e deixar o todo cor de rosa para a pequena Larah.

Na verdade, sempre estaremos prontos para receber mais alguém e isso, nunca vai depender se será menina ou menino. Enquanto isso, a titia aqui, espera ansiosamente chegar abril, mais precisamente, entre os dias 14 e 21, data prevista para escutar o primeiro choro da nova pequenina.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

De volta ao trabalho

É...as coisas sempre voltam ao normal e depois de quatro dias em casa por conta do Dia da Confraternização Universal, volto à trabalhar, e quer saber, amo isso!

Amo o telefone tocando, ter que pegar a câmera fotográfica e sair tirar foto. Amo escrever, apagar e reescrever o lead dos meus releases por achar que não está bom. Amo pegar o telefone e ligar para mil pessoas só para saber se temos isso ou aquilo, e depois, passar a resposta para outra pessoa que vai usar essa informação para fazer sua matéria, e que talvez, eu nem vou ver no jornal do outro dia.

Na verdade, estava me preparando para fazer um post de descarrego espiritual, do tipo que lamenta e reclama, mas não posso! Não posso porque não foi isso que senti no final do dia. Não disse que estava de saco cheio e não posso dizer isso agora. A única coisa que consegui pensar quando me levantei e cheguei a porta da sala foi: - Que chegue logo o amanhã e, que eu encontre tudo como eu deixei em cima da minha mesa.

Foram quatro dias no Natal, quatro dias no Ano Novo, e serão outros dias quando tiver que ser. Então, não será meus dias na correria que me fará reclamar, porque eu não vou reclamar por fazer o que gosto, mesmo que seja depois de quatro dias em casa, sem fazer nada, absolutamente nada! Ou melhor, nada em ao menos algumas horas destes dias... Afinal, não posso negar que foram bons dias, mas é que também gosto da correria do dia-a-dia! Tendeu?

sábado, 2 de janeiro de 2010

Parabéns Sarinha!

Parabéns pra você! Nesta data querida! Muitas felicidades! Muitos anos de vida! Presentes, presentinhos, presentões, balas, balinhas, balões, cama elástica, algodão doce, decoração da Lu de Luca, tudo que alguém precisava para começar com o pé direito o ano.

Hoje, 2 de janeiro e a Sarah (minha sobrinha), completa 5 anos de vida! Como grande tia coruja, não poderia deixar de eternizar meus parabéns e dizer o quanto essa menininha é especial.

1ª filha da minha irmã mais velha (Sandra), e 1ª neta dos meus pais, ou seja, 1ª sobrinha. Nem preciso dizer o quanto é mimada, ou melhor, querida. Mas pulando essa parte, independente de ser a primeira ou não, a Sarah é uma criança doce, carinhosa e que acima de tudo, sabe quando ouvir e quando falar.

Sou titia, como ela me chama, e sou coruja, como minha irmã me chama rs... Sou mesmo, sem vergonha nenhuma de falar que sou, e desejo de todo meu coração toda felicidade do mundo para minha pequena, que apesar de pouca idade, já tem demonstrado ser uma pessoa com um coração de ouro e encantadora.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Bom dia 1º de Janeiro

Abro os olhos e já é outro dia! Hoje, 1º de janeiro de 2010. Pois é, até ontem era 2009 e hoje vejo que cresci mais um pouquinho e passei de ano, na faculdade e na vida!

2009 foi muito bom. Cresci, aprendi, briguei, chorei, corri, pulei, amei, odiei e depois amei de novo! Tive todas as oportunidades de ser feliz e agarrei todas elas. Começei a fazer faculdade de jornalismo e me apaixonei ainda mais pela rotina que já conhecia desde meus tempos de guardinha na coordenadoria de comunicação da prefeitura. Voltei a trabalhar lá depois de 8 meses, mas desta vez, de verdade!

Fiz novas amizades, chorei na despedidas de alguns, abraçei no reencontro, me lembrei de muitos durante as noites olhando as estrelas, viajei sozinha, dormi fora e cheguei em casa na hora de dormir. Descobri que o amor nunca é demais e que sempre podemos ser mais fortes do que nossos medos.

Percebi que a falta de tempo nunca é desculpa para não jogar bilhar com os amigos ou não ir ao cinema. Descobri também que os amigos de verdade não desaparecem com a distância, pelo contrário, ficam ainda mais fortes. E o principal, percebi que, de fato, idade não é documento, e que quando você se identifica com alguém, é porque esse alguém já faz parte da sua vida!

Bom dia 1º de janeiro e amigos! Feliz 2010 e que tenhamos mais de 1001 motivos para sorrir!